Mercados de 4 cidades do DF concentram venda de carga roubada, diz polícia

Acondicionados sem cuidado, produtos impróprios para consumo podem parar nas mesas de consumidores da capital

O mercado criminoso de roubo de cargas no Distrito Federal não desaparece nem com a pandemia provocada pelo novo coronavírus. Investigações conduzidas pela Coordenação de Repressão a Crimes Patrimoniais (Corpatri), da Polícia Civil, mapeou as principais rodovias que cortam a capital do país, nas quais ocorrem ataques sazonais contra caminhões carregados de mercadoria.

Os mantimentos, estocados precariamente, são receptados por mercados de médio e pequeno porte espalhados por quatro regiões administrativas principais: Planaltina, Ceilândia, São Sebastião e Santa Maria. Estabelecimentos sediados nessas cidades são alvo de investigação da especializada.

As apurações conduzidas pela Divisão de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas e Latrocínios (DRLC) apontam que a demanda por carregamentos roubados imposta pelas lojas aumentou com a procura da população por produtos que possam ser estocados, pelo medo de faltar alimento por causa da Covid-19.

O perigo está escondido no modo como os mantimentos roubados são estocados. Muitas vezes, cargas de carne ficam em câmaras frias com a temperatura muito acima da suportável pelo produto. Outros alimentos permanecem expostos ao sol e à chuva antes de serem vendidos aos receptadores.

A margem de lucro se torna estrondosa para os estabelecimentos que resolvem comprar carga roubada. Sem nota, as mercadorias vão para as gôndolas com preço até 50% mais barato do que os praticados nas grandes redes de supermercados, antes acostumadas a oferecer as maiores ofertas. Nas investigações, a PCDF traçou o modus operandi dos criminosos e os principais pontos onde os produtos são escoados.

Principais rodovias

De acordo com as apurações da Corpatri, as cidades de Planaltina, Ceilândia, São Sebastião e Santa Maria abrigam os mercados que mais revendem itens roubados. Segundo o delegado da Corpatri, Elianto Couto, as grandes organizações criminosas especializadas em roubo de cargas foram desmanteladas e presas. O que sobrou são criminosos que cometem os roubos de forma amadora e sazonal.

“São criminosos sem estrutura que chegam a estocar os produtos nos quintais de casa. Levam semanas para revender os carregamentos que chegam aos mercados oferecendo grande risco para quem consumir”, explicou.

O delegado aponta que existem formas de os consumidores perceberem que mantimentos expostos nos mercados podem ser fruto roubo.

“Geralmente, nem criminosos e nem os receptadores possuem o maquinário necessário para fazer a movimentação dos produtos. No percurso, latas são amassadas e pacotes ficam rasgados. Esses são sinais que podem levantar a suspeitas”, enumerou.

O preço muito baixo de uma mercadoria de qualidade é outro indicativo. “Não existe isso de um pequeno mercado vender um quilo de filé mignon, por exemplo, a R$ 30. Se as grandes redes não fazem isso, o consumidor precisa desconfiar da procedência da carne vendida a preço de banana. Muitos produtos podem estar dentro do prazo de validade, mas impróprios para o consumo”, alertou.

Mapa das rodovias

A Corpatri mapeou as principais rodovias onde os caminhoneiros são abordados pelos criminosos. A BR-153, mais conhecida como Belém/Brasília, passa por Planaltina e se transformou em um dos pontos em que roubos mais ocorrem. Outra rodovia federal, a 080, sentido Águas Lindas, também é usada pelos assaltantes para render caminhoneiros e desviar as cargas roubadas.

A DF-290, na altura do Gama, é utilizada como rota para os ladrões. As outras quatro BRs – 070 (sentido Cocalzinho, em Goiás); 251 (sentido Mato Grosso); 020 (sul da Bahia); e 060 (sentido Anápolis) – fecham o mapa das rodovias que mais servem de palco para os roubos.

O delegado da especializada destacou que os empresários também incorrem em crime ao revender os itens roubados. Se foram flagrados, podem responder por crime contra a ordem tributária, lavagem de dinheiro, receptação qualificada e organização criminosa.

“Somadas, as penas mínimas chegam a 12 anos de prisão. Vale destacar que essa atividade ofende a ordem econômica e a livre concorrência”, disse.

Maior organização

Em fevereiro deste ano, agentes da Corpatri desarticularam a principal organização criminosa voltada para o roubo de cargas com atuação no DF. O grupo lucrou mais de R$ 100 mil apenas com um crime, quando assaltaram um carregamento de óleo de soja em Santa Maria.

Ao todo, 15 mandados de prisão preventiva foram expedidos pela Justiça contra a quadrilha. Na operação, batizada de Celari, 12 homens e uma mulher foram presos em Samambaia, Ceilândia, Águas Lindas, na região do Pedregal, no Novo Gama e em Valparaíso de Goiás. Entre os detidos, estava um dono de distribuidora em Valparaíso, acusado de atuar como receptador e revendedor das cargas.

Dois depósitos utilizados para armazenar as cargas roubadas também foram identificados na ação: um no Sol Nascente e outro em Valparaíso, onde foi localizado o óleo de soja roubado em Santa Maria. Três carros e um caminhão foram apreendidos pelos policiais, além de duas armas de fogo, munições de fuzil (calibre 762), balanças de precisão e porções de cocaína.

Ao longo dos últimos 18 meses, a unidade prendeu cerca de 90 criminosos, tendo deflagrado sete operações no período.

carregamento de carne armazenado de forma precária
mantimentos acondicionados de forma irregular

Fonte de notícias: https://www.metropoles.com

Diário da RIDE o povo em primeiro lugar!!!





Comentários no Facebook