Hacker é condenado a indenizar Banco do Brasil em R$ 648 mil

O criminoso levava uma vida luxuosa, morando em um apartamento de alto padrão localizado em Balneário Camboriú, litoral de Santa Catarina

Um hacker alvo de operação desencadeada pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) foi condenado pela Justiça a devolver R$ 648.143,45 ao Banco do Brasil, nesta segunda-feira (31/5). Além de restituir o valor ao BB, o criminoso terá de cumprir cinco anos e seis meses de prisão. Os recursos haviam sido desviados de duas contas bancárias de moradores da capital do país.

O ladrão virtual levava uma vida luxuosa, morando em um apartamento localizado em Balneário Camboriú, litoral de Santa Catarina.

A investigação foi conduzida pela Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), que deflagrou a operação em 24 de agosto do ano passado. A apuração teve apoio da Divisão Criminal do Departamento de Justiça dos Estados Unidos. A ação foi batizada de “Quick Response” – resposta rápida em tradução livre.

Os investigadores tomaram conhecimento sobre o crime em 29 de maio do ano passado. Em ambos os casos, as vítimas receberam, por meio de mensagem de SMS, um mesmo link que as direcionaram para uma página falsa de um banco, passando, posteriormente a receberem mensagens de WhatsApp, em nome da falsa instituição financeira.

O comunicado as induziu a gerar e repassar aos criminosos um QR Code (código de barras bidimensional), vinculado às contas bancárias.

Confira como funcionava o esquema e vídeo da ação:

Esquema de golpe cibernético descoberto pela PCDF

De posse de todas essas informações, os criminosos habilitaram um aplicativo bancário de celular em nome das vítimas e subtraíram a quantia por meio de transferências bancárias realizadas para contas de diversos correntistas residentes em várias localidades do Brasil. Da mesma forma, faziam pagamento de tributos vinculados a uma unidade específica da federação.

Parada nos EUA

Segundo a DRCC, para realizar essa e outras fraudes, os criminosos utilizaram serviços relacionados à internet de uma empresa com sede nos Estados Unidos, que não possuía representante no Brasil. Desta forma, a PCDF procurou uma parceria com a Divisão Criminal do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a fim de rastrear os serviços utilizados pelos bandidos em solo americano.

Após um ano de investigação e com o auxílio da Polícia Federal dos Estados Unidos, foi possível constar a participação do hacker que morava no litoral catarinense. Ele utilizava recursos de informática localizados em empresas dos EUA para fraudar contas bancárias de diversos brasileiros residentes em vários municípios e no DF.

Fonte de Notícias: https://www.metropoles.com

Diário da RIDE “A notícia tem dois lados mas uma só verdade”





Comentários no Facebook